Posts com a Tag: #mais velha (o)

Violência: Quebre esse ciclo

Sou de uma geração onde o uso da violência ainda era aceito como forma de educar. Tapas, tapinhas, belisquinhos e beliscões (principalmente os discretos, por baixo da mesa, sem que ninguém visse…) Essa violência ficou registrada em mim. E quando nos tornamos mãe, usamos os recursos que conhecemos para “impor respeito, limites”. Sempre considerei abusiva a pratica de bater, além de saber que pode virar hábito. Não batia, mas gritava. Já ameacei, puni, já usei de castigo (escondido num lindo nome de “cantinho do pensamento”). A existência dessa violência (em mim) e nas minhas fo [...]

Para Ela

Título do post

Foto: Camilla e Leandro Fotografia “Chegou pra mim esse ser humano e eu melhoro quem sou pra dar conta de ser exemplo de vida”… linda frase da minha coach querida Anna Galafrio… Dedico a BL e a constante necessidade que ela desperta em mim de ser melhor, mais justa, mais paciente… de respirar mais fundo, de se entregar sem medo a brincadeira… a vontade de curar minhas feridas, minhas sombras agressivas, impacientes, quase violentas… curar meu medo da solidão. Curar minhas fraquezas, acolher meu choro e partilhar meu desespero… admitir meus erros, pedir desculpas e principalmente aprender a aceitar ajuda com gratidão. Agradeço tamb&eac [...]

Disciplina Positiva na prática

Título do post

  Sempre comento que a parte mais difícil pra ela entender é que eu amamento o irmão. É também o momento que me sinto mais “sugada” em todos os níveis, tendo que dividir atenção entre os dois, conciliar a fusão de alimentar o bebê e responder as demandas da mais velha que nessa hora aumenta o tom, a voz e a necessidade de ser olhada. Especialmente no final de tarde, que já estou exausta de maternar os dois (sozinha),  o desafio  passa a ser não transferir o cansaço pra eles, pro meu tom, pra minha voz e pra minha necessidade de também ser cuidada. É um exercício [...]

Crescem Rápido

Título do post

  Foto: Camilla e Leandro Fotografia. Como crescem rápido… parece ontem que cabia dentro de mim, precisava do meu corpo pra se alimentar… agora já sabe fazer escolhas, luta o todo tempo pela sua afirmação, independência… me ensinando a cada dia que nascemos cheios de vida, com sede de autonomia… e eu fico só olhando… pra ela… e pra mim. Tentando achar o equilíbrio entre o limite e a liberdade… deixando que ela seja criativa em toda sua potencialidade! Como dizer cuidado sem tirar sua coragem!? A gente segue tentando e é sempre o risco o único aliado. Criar um ser humano é se atirar ao abi [...]

Transcender o pico da crise

Acorda gritando, chorando, revela seu lado mais sagitariano com coices, patadas e afins. Tento acalmar no carinho, chamego… acolhimento… mesmo que seja muito difícil sequer raciocinar pela manhã. Ser mãe me fez repensar meu (genético) mau humor matinal. Os gritos e o choro alto vão me enlouquecendo. Depois de tentar todas as técnicas de aproximação com muito afeto é a fase do subir a voz. Odeio subir a voz. Ela odeia que eu suba a voz também, então chora mais ainda. Contar, oferecer escolhas, rezar, dar voltinha… Todas as técnicas possíveis e imagináveis pra tira-lá da crise (e pr [...]

Ela que se esconde atrás dos filhos

Mulher, Mulher por onde andavas!? Em tuas últimas fotos só vejo filhos, frases de efeito e filhos. Está se escondendo atrás deles? Estou? Você é esperta… sabe que sim… e tudo bem também… menos julgamento, mais acolhimento. Depois que viramos mãe sempre somos aquela que vem depois… que vem (logo) atrás. As vontades, os desejos… o cocô, o sono, o xixi… Todos colocados de lado, pra doar… suprir… Depois eles crescem e isso passa (né?). Quando alguém me encontra pergunta: e os bebês como estão? E as crianças como estão? Estão bem… Algu&ea [...]

Ela que não pensa em ter filhos

Título do post

“Respira. Serás mãe por toda a vida. Ensine as coisas importantes. As de verdade.A pular poças de água, a observar os bichinhos, a dar beijos de borboleta e abraços bem fortes. Não se esqueça desses abraços e não os negue nunca. Pode ser que daqui a alguns anos, os abraços que você sinta falta, sejam aqueles que você não deu. Diga ao seu filho o quanto você o ama, sempre que pensar nisso.Deixe ele imaginar. Imagine com ele. As paredes podem ser pintadas de novo, as coisas quebram e são substituídas. Os gritos da mãe doem pra sempre. Você pode lavar os pratos mais tarde. Enquant [...]