Perfil

11 Flares 11 Flares ×


Mãe da Bruna Luz (BL) e do Theo, Carolinie Figueiredo (25). Atriz desde 8 anos. Escrevo desde sempre… até hoje guardo agendas, cadernos e diários. Sempre sonhei em dividir minhas palavras mas nunca tive coragem acho que por medo de não ser lida (aqui digo amada, aceita… essas bobagens que gente insegura tem).

A maternidade chegou me quebrando ao meio, fazendo com que me reavaliasse por inteira, todos os dias… Ela me trouxe mais segurança e a vontade de compartilhar idéias.

Aqui escrevo o que é tão pessoal mas que misteriosamente as pessoas se identificam… Acho que é porque vem às vezes da alma, às vezes do coração…

No final do ano passado mergulhei na Bahia (ainda grávida) e pedi pra viver dos meus escritos… Me reinventar… esse blog nasce no auge da minha crise pessoal… naquele momento que estamos partidas sem saber pra onde ir ou o que fazer… não sei se foram os 25 ou o segundo filho… mas é aquele momento onde o que te resta é a fé na própria vida… e nos caminhos que nela surgirão.

O desenho fala desse ser que é mulher e mãe. Que tenta equilibrar esses dois lados da corda.

A mulher, que também é a montanha, vem estruturando, aterrando as vidas. Sua cara é serena, ainda que no coração pulse paixão. Sua boca vermelha nos convida a (re)pensar o feminino, e a mulher que queremos ser pra longe das expectativas ou cobranças.

A mãe com as crias foi uma adaptação de um sonho que tive na gravidez de BL. Ela nos convida a pensar a maternidade ativa, a humanização, a criação com apego. E todos os desafios de criar novos seres. Ela fala do choque que é conviver diariamente com nossos espelhos refletindo quem somos, ou como agimos… assusta às vezes, mas é daí que nasce o convite ao renascimento. Acredito que maternagem é ter consciência das responsabilidades e do impacto das suas escolhas na vida daquele novo ser.

Para falar da árvore, e de suas raízes que nascem junto à raiz do cabelo dessa mulher, convido Clarissa Pinkola Estes e toda sabedoria que me transmitiu com seus escritos: “Por baixo da terra, a árvore abriga “uma árvore oculta”, feita de raízes vitais constantemente nutridas por águas. Toda árvore possui por baixo da terra uma versão de si mesma. A partir dessas radículas, a alma oculta da árvore empurra a energia para cima, para que sua natureza mais verdadeira, audaz e sábia viceje a céu aberto. O mesmo acontece com a vida de uma mulher. Como a árvore, não importa em que condições ela esteja acima da terra, exuberante ou sujeita a enorme esforço… por baixo da terra existe “uma mulher oculta” que cuida do estopim dourado, aquela energia brilhante, aquela fonte profunda que nunca será extinta. “A mulher oculta” está sempre procurando empurrar esse espírito essencial em busca da vida… para cima, para que atravesse o solo cego e consiga nutrir seu eu a céu aberto e o mundo ao seu alcance”.

Sonhei que cantava então o nome dele é Canto da Mulher que Canta… que seja a voz da minha libertação!!!!

11 Flares Twitter 0 Facebook 0 Pin It Share 1 Google+ 10 Email -- 11 Flares ×